segunda-feira, 1 de abril de 2013

Cortadores de cana ocupam fazendas do Grupo João Lyra



Mais de 120 famílias de cortadores de cana da Usina Laginha, em União dos Palmares, ocuparam terras de duas fazendas pertencentes ao grupo empresarial de propriedade do deputado federal João Lyra, do PTB alagoano.

A mobilização, na manhã desta quinta-feira (28), foi em protesto pelo não pagamento de salários dos trabalhadores. Líderes dos trabalhadores disseram que o atraso no pagamento de salários chega a três meses. Trabalhadores sem-terra se uniram à mobilização, defendendo a destinação de terras do Grupo João Lyra para a reforma agrária.

“Prometeram pagar, e o que pagaram não dá para sobreviver, não dá para comprar comida”, reclamava um cortador de cana, ao lado da mulher e dos filhos, em declarações à reportagem da TV Pajuçara. a matéria foi veiculada no Jornal da Pajuçara Noite.

A Usina Laginha já foi uma das mais importantes indústrias na produção de açúcar em Alagoas. O empresário João Lyra chegou a ser considerado o maior empregador individual do Estado. Mas a crise no Grupo João Lyra, porém, fdez com que a moagem da safra 2012-2013, que já deveria estar no fim, nem sequer começasse. O Grupo JL já teve a falência decretada pela Justiça.

“É uma vergonha”, dizia o cortador de cana Paulo Roberto. “Se ele não consegue tocar a usina, que abra para quem pode tocar”.

A safra 2013-2014 que deveria estar sendo plantada, é incerta. Os trabalhadores rurais começam a plantar culturas alternativas, como batata, milho, mandioca e outras, para sobreviver.

Segundo as lideranças do movimento, a ocupação é definitiva e deve aumentar nos próximos dias. Mais de 200 famílias de cortadores de cana e funcionários da Laginha estão a caminho das fazendas e devem começar a chegar nesta sexta-feira (29).

A assessoria de imprensa do Grupo JL informou que a situação salarial dos trabalhadores está sendo verificada pela empresa.

Fonte: Uol

0 comentários:

Editado por iMaque - Soluções em Sustentabilidade