sexta-feira, 29 de abril de 2011

Ruralista acusado de matar sem terra irá à Júri Popular

Fazenda Boa Sorte
Decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça
28/04/11 - Redação Bem Paraná

Por unanimidade, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná decidiram que o ruralista Marcos Prochet, acusado de assassinar um sem terra em 1998, deve ir a Júri Popular. A decisão do TJ ocorreu na tarde dessa quinta-feira (28).

O assassinato ocorreu no dia 7 de fevereiro de 1998, quando uma milícia despejou ilegalmente famílias de sem terra da Fazenda Boa Sorte, noroeste do Paraná – hoje um assentamento de reforma agrária. Durante a ação, o trabalhador rural Sebastião Camargo Filho, de 65 anos, foi assassinado com um tiro na cabeça, à queima roupa, de espingarda calibre 12. Uma testemunha ocular do crime afirma que o atirador era Marcos Prochet, ex-presidente da União Democrática Ruralista – UDR.

O advogado da Terra de Direitos, que participou do julgamento, defendeu a realização do Júri e pediu maior celeridade na tramitação do processo, tendo em vista que se passaram 13 anos do homicídio. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA já, inclusive, editou uma recomendação ao governo brasileiro, pedindo andamento ao caso.

De acordo com o desembargador Campos Marques, o acórdão com essa decisão será publicado o mais rápido possível. As informações sobre essa decisão serão encaminhadas a CIDH, que acompanha o desenrolar desse processo.

0 comentários:

Editado por iMaque - Soluções em Sustentabilidade