sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Repressão à Jornada de Lutas do MST no estado de São Paulo

7 de janeiro de 2011 11:55

De: jade percassi

Mais: http://passapalavra.info/?p=33977

Favor divulgar para o máximo de pessoas/organizações.

Existem atualmente no Estado de São Paulo cerca de 2.800 famílias vivendo em acampamentos, reivindicando o direito à um pedaço de terra. Entraram na luta do MST por necessitarem de trabalho, comida e moradia. Lutam para serem assentadas e viverem em comunidades, com acesso à educação, à saúde, cultura e meios de produção.

Boa parte dessas famílias está nessa situação há 8 anos, pois a política aplicada hoje tanto em âmbito estadual como também no âmbito Federalpriorizou o agronegócio em detrimento de uma política de Reforma Agrária que beneficiaria a maioria da população brasileira, gerando com isso trabalho, distribuição de renda, alimentação saudável sem envenenamento dos agrotóxicos, uma política habitacional.

As famílias acampadas no estado de São Paulo seguem sem uma resposta concreta a respeito de sua situação. E além daquelas que vivem debaixo da lona preta, boa parte dos assentamentos ainda não estão regularizados pelo INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), ou só com parte da área liberada. Isso ainda com o agravante das famílias assentadas não estarem tendo o apoio necessário para o seu desenvolvimento, como escolas, acesso à saúde, estradas, água, energia elétrica e condições de produção e comercialização, que são direitos garantidos pela constituição. Porém os recursos que tem sido destinados aos assentamentos não dão conta de cumprir sequer com um dos itens citados. A situação de grande parte dos assentamentos é precária, pois a reivindicação pela concessão de créditos para implementação de agroindústrias nos assentamentos permanece sem ser atendida. Os assentamentos no estado de São Paulo se deparam também com a falta de Assistência Técnica, tanto da parte do INCRA, como também da parte do ITESP (Instituto de Terras do Estado de São Paulo).


Frente à indiferença do governo diante da demanda por uma política de Reforma Agrária no Estado de São Paulo, cerca de 300 acampados, assentados, militantes e aliados do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ocuparam nessa manhã do dia 05 de janeiro de 2011 a Fazenda Martinópolis, em Serrana, região de Ribeirão Preto.

A fazenda foi arrematada pelo governo do estado em 1992, porém em 2002 a decisão foi revogada. A área pertence à Usina Nova União, que tem uma dívida de 300 milhões de reais devido a sonegação de ICMS, além de dívida trabalhista com 600 trabalhadores funcionários referente a 2010 e condenações por crimes ambientais.

Por volta das seis horas da manhã dessa dessa sexta feira,dia 07 de janeiro, a Polícia Militar do Estado de SP cercou o acampamento Alexandra Kollontai com o pedido de reintegração de posse, junto ao pedido de prisão dos militantes identificados como lideranças. Desde a então ocorre tensa negociação entre os Ocupantes da Usina Nova União e a Polícia Militar. O Movimento vem tentando fazer contato com advogados e parlamentares aliados da luta pela terra para ajudar nas negociações.

0 comentários:

Editado por iMaque - Soluções em Sustentabilidade