quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Pistoleiro assassinado no Piaui ainda prestava "serviços".

Abaixo matéria do Jornal Pequeno, de São Luiz (MA), com reportagem de Oswadvo Viviani em que aponta indícios que o assassino do deputado João Carlos Batista ainda continuava na ativa, prestando "serviços" aos poderosos do Maranhão e do Piauí.


Assassinato de 'Pelha' pode estar ligado a crime organizado do PI


Comissão Investigadora do Crime Organizado (Cico) do Piauí deve assumir o caso

PISTOLAGEM NO NORTE E NORDESTE

POR OSWALDO VIVIANI

O assassinato, em Teresina (PI), de Péricles Ribeiro Moreira, o "Pelha", 52 anos, envolvido em crimes de pistolagem no Pará e no Maranhão, deve passar a ser investigado pelo delegado Francisco do Bonfim Filho, chefe da Comissão Investigadora do Crime Organizado (Cico) do Piauí. O delegado aguarda apenas determinação nesse sentido da Secretaria de Segurança piauiense para apurar a ligação entre "Pelha" - irmão do deputado estadual maranhense Penaldon Jorge Moreira (PSC), e pessoas do Piauí, entre elas o empresário Marcos Aurélio Pereira Araújo, o "Marcos Gago", para quem "Pelha" trabalhava. Segundo o Jornal Pequeno apurou, o empesário é padrinho de uma filha de "Pelha". Até o momento, a investigação do homicídio está a cargo do 21º Distrito Policial de Teresina.

"Vamos querer saber se ele era apenas motorista do empresário Marcos Aurélio ou se a ligação entre eles envolvia outros serviços", afirmou o delegado Bonfim, que tem informações sobre a participação de "Pelha" num homicídio no interior do Maranhão na última campanha eleitoral.

Péricles Moreira foi assassinado no final da tarde de sábado (11), nas proximidades do Parque de Exposições Dirceu Arcoverde, de Teresina, onde estava sendo realizada a 60ª edição da Exposição Agropecuária do Piauí (Expoapi). Ele estacionava um caminhão carregado de cavalos que seriam expostos na feira quando dois homens desceram de um Corsa Classic vermelho e o abordaram dizendo-se policiais. Assim que confirmaram a identidade da vítima, os homens sacaram pistolas ponto 40 e atiraram em "Pelha", que ainda saiu da cabine do caminhão e tentou correr. Alcançado por seus algozes, "Pelha" travou com eles uma breve luta corporal, mas acabou sendo abatido com ao menos 13 tiros, a maioria na cabeça.

Natural de Pinheiro (Baixada maranhense), Péricles Moreira era acusado de cometer perto de 40 crimes de pistolagem. Alguns repercutiram nacionalmente.

No dia 6 de dezembro de 1988, três horas depois de revelar na Assembleia Legislativa do Pará ameaças que recebeu por denunciar a violência praticada no campo, o advogado e deputado João Carlos Batista (PSB) foi executado a tiros por Péricles Moreira. O pistoleiro matou o deputado friamente, diante de sua mulher Sandra Batista (atual vice-prefeita de Ananindeua, no PA) e de seus filhos, no centro de Belém. João Batista já havia sofrido três atentados. Condenado pelo crime, "Pelha" foi preso e cumpriu pena em Pedrinhas, no Maranhão, de onde fugiu e foi recapturado várias vezes. Os mandantes do crime - supostamente latifundiários e grileiros de terras do sul do Pará, incomodados com a atuação de João Batista - nunca foram investigados nem punidos.

Fora a condenação pelo assassinato do deputado João Batista, "Pelha" respondia a quatro processos criminais no Tribunal de Justiça do Pará.


Em 1º de julho do ano passado, "Pelha" foi preso no Bairro do Bequimão, acusado de participação na morte de Joaquim Felipe de Sousa Neto, o "Joaquim Laurixto", 50 anos. Laurixto foi assassinado com 5 tiros, na manhã de 29 de outubro de 2008, na Avenida Lourenço Vieira da Silva, no São Cristóvão, quando chegava de carro à casa de um de seus irmãos. Ao menos três disparos acertaram a cabeça de Laurixto, que morreu na hora.

Condenado em maio de 2005 a 19 anos de prisão (pena depois reduzida para 14), sob a acusação de envolvimento com o crime organizado do Maranhão e de ser um dos mandantes da morte do delegado Stênio Mendonça, executado na Avenida Litorânea em 25 de maio de 1997, Joaquim Laurixto usufruía o regime semiaberto - pernoitando na Penitenciária de Pedrinhas e ficando livre durante o dia.

"Pelha" teria intermediado a contratação dos pistoreiros que mataram Laurixto. A motivação seria um acerto de contas envolvendo tráfico de drogas. Antes da prisão de "Pelha", já haviam sido capturados, também por envolvimento no assassinato de Laurixto, José Guilherme Mendes, Elvis Presley Arouche, e os peruanos Segundo Luís Moreno e Wilder Ardela Michue. "Pelha" estava livre desde setembro passado. Seu corpo foi sepultado em São Luís no domingo.

Matadores de ‘Pelha’ fotografaram o corpo

Segundo pecuaristas que participavam da feira agropecuária (Expoapi) no Parque de Exposições de Teresina - e que chegaram ao local do crime logo após sua execução -, depois de constatarem que Péricles Ribeiro Moreira, o "Pelha", estava morto, seus assassinos ainda se aproximaram do corpo para tirar fotos com um celular.

"Acredito que eles queriam ter uma prova de que ele estava mesmo morto, para mostrar ao mandante", deduziu um dos participantes da Expoapi.

0 comentários:

Editado por iMaque - Soluções em Sustentabilidade